17 novembro 2008

TRAVESSIA

No momento em que
te vislumbrei na outra margem,
ao alcance e tão distante
dos meus olhos,
quadro empírico de um
momento fascinante,
equidistante do meu
pulsar aleatório.
Meus pés ensairam
a travessia,
e minhas pernas esitaram
a caminhada.
Medo errante de quem
sofre quando ama,
coragem firme,
de quem fica à espera.

Catarina Poeta

5 comentários:

gisele cristiane prudêncio da silva disse...

Amiga!!!!! que lindo teu blog!!!
Queria te dar um abraço nesse exato momento...
Um maha beijo da Gi!!
Swásthya!

Nilson Barcelli disse...

Que bela travessia cara amiga.
O poema é belíssimo, bem escrito e tão agradável de ler. Gostei muito.
Beijinhos.

João da Silva disse...

Ah, este blog começa lindo no seu lindo sorriso, lá no alto, à direita, e continua lindo pelas palavras, cavalga lindo pelas idéias, alça vôo com a imaginação, via metáforas, e nos conduz ao seu (e ao nosso) mundo interior com a força do seu sentimento.
Para que mais?
Maravilhoso, querida, maravilhoso.
Adoro vir aqui.
Beijinhos mil

railer disse...

às vezes temos medo de dar o primeiro passo. mas é com ele que mudamos, que deixamos de estar no mesmo lugar!

ecleticool terminou. atualize meu link. nasceu o figura 220!

beijos

Helènic Glauc disse...

A poesia é linda, e fotografia. Quanta sensibilidade!
Uma saudação

Postar um comentário