22 outubro 2008

INSPIRAÇÃO

Tu eras também uma pequena folha
que tremia no meu peito.
O vento da vida pôs-te ali.
A princípio não te vi:
não soube que ias comigo,
até que as tuas raízes atravessaram o meu peito,
se uniram aos fios do meu sangue,
falaram pela minha boca,
floresceram comigo.
(Pablo Neruda)

8 comentários:

A Minha Vida... disse...

Tudo o que tem vida, é belo, tudo o que é natural, tudo o que nasce ali, conosco, mesmo sem nos apercebermos, é especial! O coração tem uma natureza própria, que ás vezes empurra-nos para lugares antes que possamos entender e sorrir.
Beijo* =P

railer disse...

show

João da Silva disse...

Amo Neruda e, inevitavelmente, amo quem ama Neruda.
Beijos carinhosos do João!

ZezinhoMota disse...

Gostei da poesia e deste cantinho acolhedor...

Regresso...

Bom fim de semana.

Bjnhs

ZezinhoMota

mariam disse...

Catarina,
«P.Neruda», sempre! muitos parabéns p'la escolha e partilha.

bom fim-de-semana
um sorriso :)

mariam

veritas disse...

Gostei muito de estar aqui, peço-te que visites o meu novo espaço.

Bjs.

Sininho disse...

Porque por amor se nasce em lágrima de seda...

***
(Pablo Neruda, eternamente!)

João da Silva disse...

Posso linkar?
Beijos!

Postar um comentário