17 junho 2008

POEMA INCIDENTAL...


Tempo

Vou me salvar, enquanto há tempo...
do teu olhar, do teu riso resvalado,
desse beijo que embriaga minh'alma
e do abraço que me envolve toda.

Vou me salvar, enquanto há tempo...
da ternura do teu olhar adocicado,
do silvar da tua voz que me acalma,
e das carícias que minha pele faz estremecer.

Vou me salvar, enquanto há tempo...
da saudade do teu cheiro pelo dia,
da angústia de não ter-te por longas horas
e do silêncio dos anos que nos separam.

Catarina Poeta

4 comentários:

Lyra disse...

Minha queridaamiga,

Haverá sempre tempo, quer sejapara te salvares ou para te deixares iraosaborde um amor...

Numa encruzilhada da vida, vires para onde virares, sóo tempo dirá se a escolha que fizeste foi ou não a melhor.

Tudo de bom para ti.

Beijinhos eatébreve.

;O)

Marta disse...

Venho condidar para conhecer o meu novo espaço em

www.marprofundo.net

Leri disse...

Intenso e profundo...você sabe falar sem precisar dizer... o que cada um precisa ouvir no âmago da sua alma...bjus

O Profeta disse...

Olá Catarina, que felicidade ter encontrado um ser fantástico como tu...



Doce beijo

Postar um comentário